Etiqueta: Arte de Autor

Suspensos de uma folha de papel de carta

Uma jovem independente em plena época vitoriana
“Colecção Zidrou” distingue um dos mais interessantes argumentistas actuais

Se no cinema é normal seguir actores, na banda desenhada geralmente procuram-se determinados desenhadores. Mas, tal como na Sétima Arte há quem escolha os filmes preferencialmente pelos seus realizadores, também na BD há leitores que fazem as suas escolhas com base no nome do argumentista.
Neste particular, Zidrou é um dos nomes a reter e, se as suas obras de tom humano estão hoje espalhadas por diversos catálogos nacionais, em boa hora as editoras A Seita e Arte de Autor se uniram para lhe dedicarem uma colecção de que “Emma G. Wildford” é o tomo mais recente.
Ambientada durante o reinado da rainha Vitória, com toda a carga que isso implica em especial sobre as mulheres, tem como protagonista a jovem Emma, que contraria todo o espírito da época. Autónoma, aspirante a escritora, independente e decidida tem, no entanto, a vida suspensa do regresso do noivo, Roald Hodges, membro da National Geographic Society, desaparecido durante uma expedição à Lapónia.
Perante o silêncio da renomada organização e as tentativas de consolação e comiseração por parte dos mais próximos, Emma decide partir à aventura, em busca do seu amado.
Para trás, num clima de desaprovação total, deixa tudo e também uma carta que Roald lhe deixou caso não voltasse e que nunca quis ler, acreditando que isso mantinha vivo o seu noivo – ou pelo menos a sua esperança. A viagem, por locais inóspitos, de clima rigoroso, será feita num misto de descoberta e afirmação, com Zidou a aproveitar para caracterizar, com realismo e um humor contido, a jovem Emma bem como uma época plena de regras castradoras e preconceitos, num relato não isento de surpresas cujo desfecho vai bem para lá do acabar “bem” ou “mal”.
Graficamente, Edith com um traço simples, despido de pormenores desnecessários mas muito eficiente em termos narrativos dá vida a uma Emma que atrai e dispõe bem o leitor, embora possa revelar-se algo desconcertante pela forma como tantas vezes decide tomar em mãos as rédeas do seu destino.
Leitura de conforto, pelo tom optimista que apesar de tudo dela exala, “Emma G. Wildford” na edição portuguesa, a exemplo da original francófona, tem – literalmente – um exemplar da famosa carta que pontua todo o relato e cuja leitura, a fazer apenas no final, confere um sentido acrescido ao que foi sendo narrado.

Emma G. Wildford
Zidrou e Edith
A Seita e Arte de Autor
104 p., 24 €


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Humor, suspense e “vozes na cabeça”

Psicóloga bipolar investiga homicídio em Barcelona
Jordi Lafebre assina registo policial com traço dinâmico e sensual

A Arte de Autor deu a conhecer Jordi Lafebre aos leitores portugueses como desenhador da ternurenta e bem-disposta série familiar “Verões Felizes” e, depois, como autor completo, na comédia romântica “Apesar de tudo”, que só podia ser narrada em BD, dada uma brilhante característica da sua concepção.
Agora, regressa de novo a solo em “Sou o seu silêncio”, num registo policial ambientado em Barcelona, com uma protagonista feminina, Eva, uma psicóloga algo excêntrica com traços de bipolaridade que, como tantas vezes neste género, dá por si inesperadamente envolvida numa investigação de homicídio.
Tudo começa quando é convidada por uma amiga e ex-paciente para a acompanhar a uma reunião para leitura de um testamento, no seio da família Monturós, com muitas posses e socialmente relevante, como produtora do espumante que leva o seu nome. A atravessar uma fase difícil e sujeita a avaliação psicológica para ser decidido se pode continuar ou não exercer a sua profissão, devido às vozes que “ouve na sua cabeça”, embora reticente, Eva acaba por aceitar.
Inevitavelmente, acontece um homicídio, o que provoca a entrada em cena de uma detetive bastante discreta para investigar o crime e todos os que aspiram à herança e são por isso potenciais suspeitos.
Atravessando-se uma e outra vez no caminho da detective, Eva, com as suas mudanças de humor, a constatação das decisões pouco sensatas que frequentemente tomou e os fantasmas interiores com que se debate, leva à introdução de notas dissonantes de humor ou suspense numa intriga bem urdida, em que Lafebre vai expondo cada um dos membros da família Monteiro, bem como uma teia de interesses pouco claros, negócios mais ou menos esconsos e os ardis que levam a cabo para se posicionarem face ao pecúlio em jogo.
O relato, em que a vida particular da protagonista se mistura com a investigação, é servido pelo traço dinâmico, elegante, sensual e apelativo a que o autor nos habituou, com o qual dá vida a este teatro de costumes, arrastando-nos em loucas correrias ou mergulhando-nos nos momentos depressivos que Eva vai vivendo, ao mesmo tempo que a investigação vai avançando de forma inesperada e surpreendente.

Sou o seu silêncio
Jordi Lafebre
Arte de Autor
112 p., 25,95 €


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Desta vez, a culpa foi do gato

E se as telas que atribuímos a Van Gogh tivessem outro autor?
Um mergulho irreal e bem-humorado nos meandros da criação

E se afinal, as sublimes pinturas que desde sempre atribuímos ao génio de Van Gogh, afinal não tivessem sido pintadas por ele, mas sim… pelo seu gato?! É esta a base de “Vincent e Van Gogh”, que a Arte de Autor acaba de editar em versão integral.
O autor é Gradimir Smudja, nascido na então Jugoslávia, em 1954, que desenvolve aquela tese, de forma bem-humorada e original, partindo do salvamento do felino pelo artista. Como recompensa, este último desata a pintar, ao mesmo tempo que entre os dois se desenvolve uma relação tóxica com Vincent (o gato) a ser dominante e tirano e a submeter e reduzir à sua pequenez aquele que conhecíamos como pintor.
Explorando factos históricos, a relação com outros artistas da época, as técnicas, cores e telas que (re)conhecemos como da autoria de Van Gogh e explicando até a famosa perda da orelha, Smudja acaba por nos levar por um passeio com tanto de histórico quanto de irreal numa época-chave da História da Pintura europeia, subvertendo e fantasiando enquanto faz a narração. Vivendo como um pobre diabo, Van Gogh só depois de morto, por mãos travessas, irá assinar as telas e ascender à fama que em vida não gozou, espelhando uma realidade comum a outros criadores.
Se o relato inicial, “Vincent e Van Gogh”, tinha tido edição nacional há duas décadas, já “Três Luas”, segundo relato deste sólido volume, era até agora inédito em português. Partindo da ressurreição do pintor e do gato, quais zombies, fá-los embarcar numa viagem pelo tempo e pelas artes porque, para lá da pintura, desta vez também são evocados o cinema, a escultura, a poesia e a própria banda desenhada, numa corrida desenfreada em que tempo e espaço se confundem.
Vladimir Smudja, de quem a Arte de Autor já tinha proposto “Mausart” no ano transacto, uma versão ficcionada das vidas de Salieri, Mozart e Stradivarius, com animais antropomorfizados, direccionada primeiramente para um público juvenil, neste díptico mais uma vez utiliza a técnica de pintura a pastel em que é mestre para desafiar leitores maduros a deixarem-se mergulhar nos meandros da criação, nas questões de autenticidade e propriedade intelectual e, de forma subjacente, nas próprias telas e noutras obras famosas e reconhecidas.

Vincente e Van Gogh (integral)
Vladimir Smudja
Arte de Autor
120 p., 27,505 €


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Lado a lado com Hercule Poirot

O detective belga protagoniza investigação com trama original
Colecção dedicada a adptações em BD de romances de Agatha Christie ultrapassa a dezena de títulos

E de forma paulatina, a colecção que a editora Arte de Autor dedica às adaptações em BD dos romances policiais de Agatha Christie, acaba de ultrapassar a dezena de volumes.
Se dela constam já o célebre “No início, eram dez…” e obras protagonizadas por Miss Marple ou por Tommy e Tuppence, também conhecidos como os Beresford, a verdade é que, como seria expectável, é o detective belga Hercule Poirot que protagoniza a maior parte delas, sete no total, incluindo já este “Jogo Macabro”, o décimo-primeiro tomo da colecção, recém-editado.
Como era apanágio da escritora britânica, também neste caso a trama está longe de seguir os cânones do género ou situações triviais, tomando como ponto de partida original um assassinato fictício a ser resolvido pelos visitantes de uma quermesse, enigma esse que, no entanto, rapidamente dará origem a um cadáver, transformando-se a situação hipotética num verdadeiro crime.
Presente para de alguma forma servir de júri ao inusitado desafio, a convite da organizadora, uma velha amiga sua, e assumindo depois as despesas da investigação, o detective de pequena estatura e cabeça em forma de ovo vai ter de interpretar o que lhe vai sendo dito, distinguindo entre verdades, meias-verdades e mentiras, estudando posturas corporais e atitudes e gestos que à maioria passam despercebidos, para descobrir o(s) culpado(s) num ambiente senhorial que evoca tempos passados e exibe uma aristocracia em plena decadência.
Como é inevitável nos relatos do género, nem tudo o que parece é e nem todos se apresentam como realmente são, podendo o leitor acompanhar o detective nas suas deduções e, quem sabe, chegar à solução antes dele a expor.
A adaptação do original, o desenho e a cor são da responsabilidade de Marek que já tinha assinado a ilustração de outro volume desta colecção, “Hercule Poirot: Encontro com a morte”. Com um traço semi-caricatural, mais à-vontade na representação dos cenários do que do corpo humano bem proporcionado, e com uma paleta de tons suaves, Marek consegue concretizar o que nestes casos é fundamental: fazer com que a trama original funcione de forma autónoma no suporte escolhido, a banda desenhada.

Hercule Poirot – Jogo Macabro
Marek, segundo Agatha Christie
Arte de Autor
64 p., 18,95€


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Preferir não fazer nada

O direito à individualidade em oposição à ditadura da(s) maioria(s)
José-Luís Munuera adapta conto clássico de Herman Melville

Todos fazemos opções no dia-a-dia, mesmo que a opção seja não optar. Obriga-nos a isso a nossa vida, a nossa sobrevivência, a nossa família, as nossas obrigações profissionais… em suma, a nossa responsabilidade social.
Bartleby, um simples escriturário de Wall Street, é o protagonista de um conto com a assinatura de Herman Melville, publicado pela primeira vez em 1853. Contratado para copiar documentos, distingue-se pela forma metódica e diligente como trabalha. Demais, dirão alguns pois, consagrado à sua responsabilidade, passando os dias – e depois as noites – sentado à sua secretária, em frente a uma janela que dá para a parede de tijolos do edifício contíguo, quando lhe é proposto realizar outras actividades, sejam elas tarefas profissionais básicas como ir aos correios ou comparar cópias em conjunto ou até convites para ir beber um copo com o patrão, reusa liminarmente. Ou melhor, nega-se dizendo: “Preferiria não o fazer”. E responde de forma tão liminar quanto educada, desarmando qualquer reacção do seu patrão, dividido entre a vontade de o despedir e a inação devido à incompreensão pelo sucedido.
A versão em banda desenhada, que assume o título original, “Bartleby, o escriturário – Uma história de Wall Street”, chega por estes dias às livrarias nacionais numa edição da Arte de Autor e tem a assinatura do espanhol José-Luís Munuera, que alguns, muito bem, associarão a uma fase não muito antiga de “Spirou”. Trata-se da sua segunda investida na adaptação de um clássico da literatura, depois da sua visão provocadora de “Um conto de Natal”, de Dickens, em que entrega, de forma bastante conseguida, o protagonismo a uma mulher.
Em “Bartleby”, Munuera utiliza o mesmo traço semi-caricatural, que acentua o ridículo e o inesperado da situação, recorrendo a uma traço mais realista, esbatido, para recriar os fundos e os cenários em que a acção decorre, realçando, assim, duplamente, os protagonistas e os respectivos diálogos.
História mordaz sobre o direito à individualidade em oposição à ditadura da(s) maioria(s), mesmo que esta seja a sociedade em que vivemos e para com a qual temos obrigações e responsabilidades, “Bartleby” apenas não se transforma num total absurdo devido ao seu final trágico que leva o leitor a questionar quem realmente sai vencedor no final…

Bartleby, o escriturário
José-Luís Munuera
Arte de Autor
72 p., 18,50 €


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Este mundo será sempre dele

Aos 84 anos, Hermann continua a desenhar como se não houvesse amanhã
“Duke”, um western crepuscular completo em sete álbuns disponíveis em português

“Duke”, de Yves H. e Hermann, de que a Arte de Autor acaba de editar o sétimo e último volume, “Este mundo não é o meu”, é um western crepuscular, ambientado na transição entre os grandes tempos do Oeste selvagem e a caminhada atribulada mas inexorável para a chegada da civilização aos lugares onde a lei e a ordem durante anos foram impostas à força da bala.
É também uma história de perseguição, de várias perseguições, aliás, motivadas pelo desejo de vingança ou pela busca do sempre desejado dinheiro, perseguições essas gizadas pelos acasos do destino, vincando a forma maldosa e cruel como ele joga com as vidas dos seres humanos. Seres humanos que Hermann, bem secundado pelo seu filho e argumentista Yves H., continua a encarar com pessimismo e descrença, realçando sempre o pior de cada um e de todos eles.
Entre os vários perseguidores e perseguidos, cujo número vai variando consoante os momentos da acção e os tiros certeiros que vão sendo disparados, emerge um homem, o Duke que dá título à série, atormentado pelo seu passado, martirizado pelas escolhas que fez ou foi obrigado a fazer, perseguido pela maldição do seu feitio e da sua postura e acossado por sombras que tornam a sua existência penosa e fazem dele constantemente um alvo.
Mas “Duke” é também, claramente, uma obra crepuscular na carreira de Herman que, aos 84 anos, continua a tentar resistir à passagem do tempo, criando, como se disso dependesse a sua vida, novas obras ao ritmo frenético de 2 álbuns por ano. É evidente que o seu traço já não é o mesmo – e as capas são a melhor prova disso – mas Hermann mantém-se mestre na planificação de base tradicional que utiliza e, em especial, no modo como continua a iluminar os seus desenhos com cores intensas ou os carrega de sombras opressivas, da mesma forma que se esmera em contrastes de claro/escuro únicos.
Dispensava-o deste afã o seu passado, plasmado em séries notáveis como “Comanche”, “Bernard Prince”, “Jeremiah” ou “As Torres de Bois-Maury”, que afirmam claramente que o mundo da BD será sempre dele e que todos os leitores, de sucessivas gerações, terão de se render à sua mestria e ao seu traço inigualável, que constituem uma herança que a qualquer momento permite continuar a embarcar na grande aventura.

Duke #1 a #7
Yves H. e Hermann
Arte de Autor
56 p., 18,00 € (cada)


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Viver em função da vingança

Duplo regresso de Yslaire e de “Sambre”
História de amor trágica, narrada em tons sépia com pinceladas de vermelho vivo

Os acasos – editoriais – têm destas coisas e, 20 anos depois, Yslaire ressurge no mercado português em dose dupla: com “Menina Baudelaire” (edição da Ala dos Livros), uma biografia do poeta maldito sobre que escrevi aqui na semana passada, e com este “Sambre V/VI” (Arte de Autor), outro regresso pois, na mudança do século, o primeiro ciclo desta série foi editado em português. Trata-se de uma trágica história de amor entre Bernard Sambre, filho de uma família da província abastada e Julie, uma rapariga do povo, contrariada pela família dele, devido aos olhos vermelhos da jovem, supostamente portadores de uma maldição. Com a revolução de 1848, que conduziu à Segunda República Francesa, como pano de fundo, este ciclo correspondente à “Segunda geração” – que a Arte de Autor vai reeditar em breve – revelava-se uma história forte e violenta, de desfecho trágico, sedutora também pelas pinceladas de vermelho vivo que pintam os olhos de Julie, o cabelo de Bernard e alguns pormenores, por entre o tom sépia dominante.
Agora, reencontramos Julie, 11 anos mais tarde, presa nas cadeias do império francês pela sua participação na revolta, e descobrimos o destino dos seus filhos, uma vez que estava grávida no final do primeiro ciclo.
Se há uma evidente mudança de cenário e o centrar absoluto da trama em Julie, o lado trágico desta série, com o contraste entre ódios profundos e paixões arrebatadas, e o retrato cru e realista da podridão moral de quem detinha o poder e, agora, o sistema prisional francês, profundamente opressivo, desumano e violento, continua a tornar a saga dos Sambre uma narrativa apaixonante e o reencontro com Julie não se faz sem emoção.
Mesmo que se trate de uma nova Julie, desenganada com a vida, desejando a morte que não se atreve a provocar para se reencontrar com Bernard, cujo fantasma nunca a deixou, e vivendo apenas para se vingar.
Deportada à força, supostamente para refazer a vida numa colónia longínqua – mas na prática afastada pelo poder político e a família que continua a odiá-la e a atormentá-la – Julie sofrerá um naufrágio que, parecendo uma tragédia, lhe poderá proporcionar uma nova vida. Resta saber se estará disposta a entreabrir o seu coração ou se a amargura e o ódio acumulados a levarão – de novo – ao abismo.

Sambre V/VI
Yslaire
Arte de Autor
104 p., 27,00 €


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

O regresso surpreendente inesperado feroz do Capitão Nemo

Partir do que é conhecido para seduzir o leitor
Personagens de Julio Verne e Rudyard Kipling encontram-se para salvar o mundo

Um primeiro passo para conquistar o leitor, é dar-lhe como ponto de partida algo que ele já conheça, no caso de “Nautilus”, o célebre submarino do Capitão Nemo e este vilão visionário que Jules Verne criou em “20000 léguas submarinas” e fez regressar em “A ilha misteriosa”. E, se versões em banda desenhada de romances célebres têm sido utilizadas para tentar conquistar leitores para a literatura, esta é uma outra via que até poderá ser mais eficaz e sedutora. De caminho para Nemo, os autores deste livro co-editado entre nós pela Arte de Autor e A Seita, aproveitam outro facto conhecido e histórico: o confronto latente entre a Grã-Bretanha e a Rússia nos últimos estertores do século XIX, pelo controlo de territórios indianos.
À frente do relato, como protagonista, surge Kimball O’Hara, o Kim imaginado por Rudyard Kipling no romance homónimo, um irlandês com sangue indiano e mentores tibetano e britânico, agora adulto e agente dos ingleses. Tão fascinante pela sua origem dupla e díspar quanto pela forma decidida e independente como actua, Kim vê-se apanhado numa armadilha que fez dele traidor e rastilho para o conflito, sendo a solução recuperar uns documentos num navio afundado a grande profundidade. A única forma de o conseguir é recorrendo ao desaparecido capitão Nemo, prisioneiro numa prisão na Sibéria, e ao seu mítico submarino Nautilus.
Com este pressuposto, o argumentista Mathieu Mariolle e o desenhador Guénaël Grabowski levam-nos numa grande aventura, com ritmo alucinante, personagens fortes, complexas e convincentes, situações impossíveis e perseguições de cortar a respiração, em cenários exóticos, imponentes ou deslumbrantes, fiquem eles no topo de montanhas geladas ou no mais profundo dos mares, com Kim a tentar impedir mais uma guerra fratricida entre os impérios dos czares e britânico e conseguir provar aos que o perseguem e aos que o conhecem, a sua inocência.
O traço realista de Grabowski e a forma como ocupa muitas das páginas até às margens, esquecendo o habitual contorno branco, contribui para a espectacularidade deste volume inicial de “Nautilus”, cujo final abrupto deixa os leitores sedentos da continuação deste tríptico, que ostenta a aventura e a grandiosidade das obras de Verne e o suspense dos grandes romances de espionagem.

Nautilus #1 – O teatro de sombras
Mariolle e Grabowski
Arte de Autor/A Seita
68 p., 19,95€


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

A roupa com que a veste

Marini eleva o género negro a um outro patamar
Pranchas em tons de negro, branco e cinza com pinceladas pontuais de vermelho fogo definem o registo

Filadélfia 1950. Terry Slick é um gangster dos duros, um lobo solitário, especialista em assaltos ousados e rentáveis. Os acasos da vida – ou o que dela fez – obrigam-no a trabalhar para Rex Hollow, um dos senhores do crime locais, para pagar uma dívida do seu irmão.
Se, por razões diversas, a relação entre ambos nunca foi a ideal, torna-se mais tensa quando Slick, após ausência para combater na Europa, durante a II Guerra Mundial, descobre que Deb Caprice, a sua grande paixão, permanente e mal resolvida, é agora noiva de Hollow.
História negra e violenta, de paixões avassaladoras, ódios eternos e sucessivos ajustes de contas, “Noir Burlesco” parece não se desviar muito de obras primas que o cinema, a literatura e a própria BD já nos proporcionaram. A diferença para outras, está na roupa com que o autor a veste.
E não me refiro aos provocadores vestidos de Deb, curtos, decotados e reveladores q.b., nem das soberbas pinceladas de vermelho vivo cor de fogo nos seus cabelos e nos seus lábios sensuais, que atiçam todas as paixões e empurram mais para as chamas do inferno os que se aproximam demasiado deles ou os que deixam correr à solta os pensamentos inflamados que despertam.
São estas as roupagens a que me referia: o desenho duro mas atraente, a negro e branco com uma multiplicidade de cinzentos intermédios, conseguidos à custa de aguadas, que recriam magistralmente o lado sombrio da época e acentuam o registo que Marini adoptou nesta criação. Nela, Deb brilha a grande altura, num conjunto que graficamente prima pelo dinamismo das cenas, pela forma como o desenho e a utilização esparsa da cor nos conduzem por elas, muitas vezes sem necessidade de qualquer texto ou com este reduzido a diálogos, curtos, certeiros e incisivos, com a acção a acelerar ao ritmo das viaturas que os protagonistas conduzem, ao som dos tiros que ecoam em noite escura, em locais sombrios ou da violência latente que facilmente explode ao mínimo pretexto.
Primeiro de dois volumes, numa cuidada edição da Arte de Autor e de A Seita, “Noir Burlesco” é tudo o que prometia o traço do conceituado Marini e mais ainda pela forma como ele explora a limitada paleta cromática por que optou, e deixa o leitor (quase) capaz de matar pela conclusão.

Noir Burlesco 1/2
Marini
Arte de Autor/A Seita
104 p., 24,00€


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem