Etiqueta: Marini

O Oeste ao ritmo de um tique-taque

Dois séculos da conquista do Oeste evocados em histórias curtas
Dezasseis autores de referência dão corpo a um projecto de Tiburce Oger

Dos tempos dos confrontos entre franceses e britânicos até às vésperas da II Guerra Mundial, “Go West Young Man”, acabado de editar em português pela Gradiva, traça uma história do Oeste norte-americano ao ritmo do tique-taque de um relógio de ouro que vai passando de mão em mão. Na verdade, este álbum, que assenta numa estrutura não original mas poucas vezes utilizada desta forma, é uma colectânea de histórias curtas que vão saltitando no tempo ao longo dos quase dois séculos que o livro abarca, unidas pelo tal relógio cujo proprietário, protagonista de um único conto, mas muitas vezes referenciado (no)s seguinte(s), vai mudando, quase sempre por razões pontuadas pela violência que associamos facilmente aos tempos da sangrenta conquista do Oeste selvagem.
Inicialmente oferecido por uma esposa a um oficial britânico, passaria pelas mãos de homens e mulheres, adultos e crianças, brancos, negros ou pele-vermelhas, pobres e mais abonados, gente com formação ou sem ela, personalidades de alguma importância, lendas do velho oeste ou gente anónima, tendo todos eles, a determinada altura, a possibilidade de terem como seu o aparelho usado para conhecer as horas e de pertencerem assim a uma longa mas involuntária cadeia humana.
A vida como a morte, a solidariedade como o desprezo, o respeito como o insulto, situações banais do quotidiano, assaltos, vinganças, emboscadas ou tiroteios são os inevitáveis condimentos de um conjunto de histórias, que até podem ser lidas de forma isolada e primam pela diversidade e pelo inesperado, mas que, apesar disso, ostentam uma coerência e uma continuidade narrativa que deve ser realçada.
Projecto de Tiburce Oger, argumentista e desenhador francês, apresenta também como particularidade o facto de cada um dos dezasseis relatos estar entregue a um ilustrador diferente, contando-se entre eles nomes de referência na banda desenhada franco-belga bem conhecidos dos leitores portugueses como Michel Blanc-Dumont, Ralph Meyer, François Boucq, Michel e Corentin Rouge, Christian Rossi ou Marini (que assina a capa).
Se na prancha de abertura alguém refere que “só Deus sabe as histórias que [o relógio] poderia contar”, agora, nós também as podemos conhecer.

Go West young man
Tiburce Oger e vários desenhadores
Gradiva
112 p., 27,50 €


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

A roupa com que a veste

Marini eleva o género negro a um outro patamar
Pranchas em tons de negro, branco e cinza com pinceladas pontuais de vermelho fogo definem o registo

Filadélfia 1950. Terry Slick é um gangster dos duros, um lobo solitário, especialista em assaltos ousados e rentáveis. Os acasos da vida – ou o que dela fez – obrigam-no a trabalhar para Rex Hollow, um dos senhores do crime locais, para pagar uma dívida do seu irmão.
Se, por razões diversas, a relação entre ambos nunca foi a ideal, torna-se mais tensa quando Slick, após ausência para combater na Europa, durante a II Guerra Mundial, descobre que Deb Caprice, a sua grande paixão, permanente e mal resolvida, é agora noiva de Hollow.
História negra e violenta, de paixões avassaladoras, ódios eternos e sucessivos ajustes de contas, “Noir Burlesco” parece não se desviar muito de obras primas que o cinema, a literatura e a própria BD já nos proporcionaram. A diferença para outras, está na roupa com que o autor a veste.
E não me refiro aos provocadores vestidos de Deb, curtos, decotados e reveladores q.b., nem das soberbas pinceladas de vermelho vivo cor de fogo nos seus cabelos e nos seus lábios sensuais, que atiçam todas as paixões e empurram mais para as chamas do inferno os que se aproximam demasiado deles ou os que deixam correr à solta os pensamentos inflamados que despertam.
São estas as roupagens a que me referia: o desenho duro mas atraente, a negro e branco com uma multiplicidade de cinzentos intermédios, conseguidos à custa de aguadas, que recriam magistralmente o lado sombrio da época e acentuam o registo que Marini adoptou nesta criação. Nela, Deb brilha a grande altura, num conjunto que graficamente prima pelo dinamismo das cenas, pela forma como o desenho e a utilização esparsa da cor nos conduzem por elas, muitas vezes sem necessidade de qualquer texto ou com este reduzido a diálogos, curtos, certeiros e incisivos, com a acção a acelerar ao ritmo das viaturas que os protagonistas conduzem, ao som dos tiros que ecoam em noite escura, em locais sombrios ou da violência latente que facilmente explode ao mínimo pretexto.
Primeiro de dois volumes, numa cuidada edição da Arte de Autor e de A Seita, “Noir Burlesco” é tudo o que prometia o traço do conceituado Marini e mais ainda pela forma como ele explora a limitada paleta cromática por que optou, e deixa o leitor (quase) capaz de matar pela conclusão.

Noir Burlesco 1/2
Marini
Arte de Autor/A Seita
104 p., 24,00€


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

A Cruz e o Escorpião

Embora a um ritmo não muito sustentado, as Edições Asa lá vão continuando as principais séries do seu catálogo de Banda Desenhada. Três anos depois de terem publicado o volume anterior, chegou a vez do “Escorpião”, de Marini e Desberg, já um clássico da moderna BD franco-belga cujo sexto volume, “O Tesouro do Templo”, já chegou às livrarias portuguesas, numa edição que, como também já vem sendo hábito, conta com uma capa diferente para a edição vendida na FNAC.
“O Escorpião” insere-se na linhagem clássica de títulos como “Os Três Mosqueteiros”, “Scaramouche” e “Lagardere”, que cultivavam a aventura folhetinesca em estado puro, mas introduz um toque de modernidade na receita, através da junção cuidadosa de outros ingredientes, como uma pitada de erotismo soft, representado pelas belas e perigosas Mejai e Ansea Latal, e um toque de teoria da conspiração “à la Dan Brown”, perceptível na organização secreta que se serve do poder da Igreja para controlar o mundo, a que o Escorpião se opõe.

Além do charme e da classe do Escorpião, um sedutor ladrão de antiguidades, que parece saído directamente de um filme com Errol Flynn, mas a quem Marini deu umas feições que lembram demasiado as de Drago, o vampiro de “Rapaces” (outra série desenhada por Marini), do carisma do “mau da fita”, o diabólico Cardeal Trebaldi, e da sensualidade das personagens femininas, temos uma intriga suficientemente complexa para manter o leitor em suspense, servida por uma eficácia narrativa ao alcance de poucos. Tudo isto, passado a imagens de forma notável pelo virtuosismo de Marini, um dos mais elegantes desenhadores realistas da BD europeia.

Neste volume chega ao fim a intriga, iniciada no volume 3, da busca da verdadeira cruz em que foi crucificado o apóstolo São Pedro. Relíquia suprema, cuja descoberta e revelação permitirá derrubar o poder de Trebaldi, eleito Papa por via de ter apresentado ao povo de Roma uma cruz de São Pedro que, tanto ele como o Escorpião, sabem ser falsa. Depois da Capadócia e de Jerusalém essa busca termina na fortaleza de Saint-Serrac, mas o resultado não foi bem o que o Escorpião esperava…

Embora a intriga evolua de forma demasiado lenta, e os últimos três álbuns contribuam muito pouco para o evoluir da trama global, vale a pena continuar a acompanhar este “Escorpião”, quanto mais não seja pelo excelente trabalho de desenho e de cor directa de Marini, cada vez mais à vontade como colorista.

(“O Escorpião Vol 6: O Tesouro do Templo”, de Marini e Desberg, Edições Asa, 48 pags, 12,50 €)

Futura Imagem

Interlúdio

As conspirações no seio da Igreja Católica e as (muitas) dúvidas sobre a veracidade de alguns dogmas sobre os quais assenta, não sendo um tema novo, está na moda, embora a BD já o explorasse antes do fenómeno Dan Brown.
Esta é também a temática da série “O Escorpião”, ambientada no século XVIII, que narra a procura da verdadeira cruz de Pedro, para desmascarar o Cardeal Trebaldi, auto-assumido ateu, recém-eleito Papa com o objectivo de se servir da muito poderosa organização católica, refundando-a à imagem dos seus interesses.
Para além dos seus sequazes, a busca envolve um aventureiro conhecido como Escorpião, filho ilegítimo do anterior Papa e que vive na fronteira da lei, e as belas – mas perigosas – Ansea e Méjai, e está na origem de movimentadas narrativas, em que a veracidade histórica e ficção se confundem, plenas de acção e dinamismo, com muitas armadilhas, traições, surpresas, intriga e mistério, que mostram o melhor da BD de aventuras franco-belga.
O traço realista ágil, fluído e expressivo e a planificação cinematográfica de Marini servem na perfeição o guião de Desberg que demonstra toda a sua mestria em “O vale sagrado”, de ritmo intenso, com diversos volte-faces e cuja leitura prende e entusiasma, mesmo que não passe de um interlúdio, pois, no final, nada se adiantou à história base, e os protagonistas estão numa situação tão crítica como no início…


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem