Etiqueta: José Ruy

Muita BD para ver

Festivais e eventos multiplicam-se no primeiro semestre

Sinónimo do bom momento que a edição de banda desenhada vive actualmente, o primeiro semestre deste ano está recheado de eventos desdicados a esta arte.
As hostilidades abrem a 18 de Março, na Lourinhã, com a segunda edição do Louri’BD

Neste momento estamos a tratar com o município da Lourinhã da programação, da qual não te posso adiantar nada, porque não temos autorização para o fazer.
A única coisa que te posso dizer é que o evento se vai realizar entre 18 a 24 de Março. Vamos centrar o evento propriamente dito nos dias 22, 23 e 24 Março.
O Município da Lourinhã lançou no início deste mês a sua agenda cultural para Janeiro, Fevereiro e Março, com uma programação que acolhe projectos nacionais e locais, na sua maioria, com entrada gratuita. É capa uma ilustração do livro ‘E depois do Abril’, dos autores Filipe Duarte e André Mateus, obra que será lançada no LouriBD, uma parceria da autarquia com a editora local, Escorpião Azul, com o apoio da Antena1. Num comunicado enviado ao ALVORADA a autarquia revela que o evento decorrerá entre 18 e 24 de Março, com o tema ‘Monstros’ e contará ainda com lançamentos de outros livros, conversas, debates, workshops, cinema de animação, uma Feira do Livro de Banda Desenhada, um concerto ilustrado, sessões de autógrafos, exposições de peças de arte, bem como pranchas originais de banda-desenhada.
Em Março, para além de cinema e cinema de animação, um workshop de encadernação clássica, poesia para bebés e ‘Yoga entre Histórias’, a Lourinhã dinamiza a 2ª edição do Festival de Banda Desenhada da Lourinhã – LouriBD – que tem por objectivo tornar acessível e aproximar todas as pessoas, independentemente, das idades e literacias, à Nona Arte. O evento decorrerá no Centro Cultural Dr. Afonso Rodrigues Pereira, com entrada livre, e terá uma programação dirigida às escolas, entre os dias 18 e 22 e ao público em geral, entre os dias 22 e 24.


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Final da viagem no ponto de partida

“Lendas japonesas” adaptam em BD obra de Wenceslau de Moraes
Obra póstuma de José Ruy é homenagem justa e merecida

Raramente a vida permite que assim aconteça mas a verdade é que com estas “Lendas japonesas”, que a editora Polvo acaba de fazer chegar às livrarias, José Ruy (1930-2022) de alguma forma terminou a sua vida onde a tinha começado ou para definir melhor, teve na sua última obra publicada um regresso ao momento onde tudo praticamente começou. E, relembro, tudo é uma carreira notável, uma vida inteiramente dedicada aos quadradinhos, que começou a desenhar aos 14 aos anos e só a morte foi capaz de interromper aos 92, em finais do ano passado.
As onze histórias curtas que compõem este álbum, são outras tantas adaptações de lendas recolhidas no Japão pelo escritor e diplomata Wenceslau de Moraes nos primeiros anos do século XX. Trata-se de histórias singulares que, segundo o próprio José Ruy, o deixaram “apaixonado pelo tema” quando as descobriu, em 1949, tendo originado nove adaptações em “O Papagaio”, então suplemento infantil da revista “Flama”. Três dessas lendas seriam recuperadas no número inaugural dos semi-profissionais “Cadernos da Banda Desenhada” (1987) e José Ruy regressaria ao tema, na mudança do século, desta vez com duas lendas desenhadas de origem para as “Selecções BD”.
Estas narrativas, de cunho fantástico, têm como protagonistas deuses com os defeitos dos homens ou homens que querem ser como os deuses e uma delas, muito curiosa, rãs antropomorfizadas. Possuem propósitos morais, educativos ou com indicações valiosas para o dia-a-dia e, graças à capa dos hábitos e costumes nipónicos, ganham contornos misteriosos e estimulantes que ajudam a perceber a paixão que provocaram no desenhador português.
Aliás, quer nas páginas mais clássicas e elegantes das primeiras versões, mostradas no texto com que José Ruy introduz o leitor na temática, quer nas narrativas inseridas neste volume, é notório o cuidado e apuro gráfico que foi colocado na sua realização, cumprindo o desejo de aproximação do registo desenhado ao espírito dos originais.
Esta edição, cuidada e com bons acabamentos, que fecha com a biografia de Wenceslau de Moraes em BD, esteve agendado para o ano passado mas, por razões diversas, só agora ficou disponível. E se certamente José Ruy teria gostado muito de a ter segurado nas suas mãos, acaba por constituir uma muito justa e merecida homenagem póstuma.

Lendas Japonesas
José Ruy
Polvo
64 p., 16,90 €


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

O Mosquito Abriu Asas há 75 anos

A 14 de Janeiro de 1936 chegava aos quiosques portugueses um novo jornal infanto-juvenil. Era o primeiro voo de O Mosquito, “O semanário da rapaziada”, que duraria 17 anos e 1412 números e marcaria de forma indelével os quadradinhos portugueses.

O começo – como toda a sua vida, aliás – foi modesto: apenas oito páginas em formato A4, papel de jornal de fraca qualidade e a presença de uma única cor apenas nas capas e nas páginas centrais. E um preço a condizer: 5 tostões, os oficiais 50 centavos, qualquer coisa como 25 cêntimos nos tempos do euro que hoje vivemos, o que durante muitos anos lhe serviu de bandeira, apresentando-se como “o jornal infantil mais barato”.
Ao leme do insecto, estavam dois dos maiores nomes do jornalismo infanto-juvenil nacional, António Cardoso Lopes, o famoso Tiotónio, já com experiência similar de outras publicações, responsável pelo grafismo, e Raul Correia, que asseguraria grande parte da criação literária da nova publicação, bem como as traduções (livres, quase sempre autênticas novas versões) das bandas desenhadas publicadas. Juntos fizeram de O Mosquito “o primeiro movimento colectivo de rebeldia das crianças em Portugal”, escreve António Dias de Deus em “Os Comics em Portugal” (Cadernos da Bedeteca, Cotovia). Porque, acrescenta, o seu conteúdo fugia às “lindas e bem-formativas revistas, como O Senhor Doutor e O Papagaio”. Por isso, “O Mosquito foi perseguido, confiscado, rasgado, queimado, deitado para o caixote do lixo, anatemizado e esconjurado. Os pais, aparentemente, tinham a razão e a força (…) mas acabaram por perder a guerra”.

Altos voos
E o sucesso foi imediato. Iniciado com uma tiragem de apenas cinco mil exemplares, no auge da sua popularidade atingiu 30 mil, era publicado duas vezes por semana e as máquinas onde era impresso, trabalhavam seis dias por semana, em dois turnos de oito horas!
Combinando novelas ilustradas, textos mais moralistas e bandas desenhadas, recortadas e remontadas, ocupando todos os espaços de cada página, O Mosquito, “o jornal mais bonito”, que ao longo da sua vida mudou de formato cinco vezes e chegou a ter 16 páginas, fez da interactividade com os leitores um dos seus grandes trunfos. Por isso, a par das cartas dos leitores e da publicação das suas fotografias, teve um emblema, multiplicaram-se os concursos, as separatas e as construções para armar. O sucesso crescente levou à criação de colecções paralelas, números especiais, um suplemento para meninas – A Formiga – e emissões radiofónicas, que o fizeram voar atravessando as mudanças de três décadas e de uma guerra mundial.

Histórias memoráveis
Quem leu O Mosquito – quando foi publicado ou anos mais tarde, herdado de pais ou tios – recorda com certeza “Pelo mundo fora…”, “Formidáveis aventuras do grumete Mick, do velho Mock e do cão Muck”, “Jovens Heróis”, “O Capitão Bill, o grumete Bell e o cozinheiro Ball”, “Águias da Lei”, “O Capitão Meia-Noite”, “O Gavião dos Mares”, “Pedro de Lemos, Tenente, e o ‘Manel’, Dez Reis de Gente”, “O Voo da Águia”, “Serafim e Malacueco”, “Anita Pequenita” e, sobretudo, possivelmente, as aventuras do Cuto. E desconhecendo, com certeza, que todas elas eram estrangeiras, a maior parte inglesa, com algumas espanholas à mistura. Quase no final, surgiriam também americanas: “Príncipe Valente”, “Terry e os Piratas”, “Tommy, o rapaz do circo”…
Mais tarde, esta colaboração estrangeira seria quase completamente substituída pela produção nacional. O grande sustentáculo da revista, foi então Eduardo Teixeira Coelho (o célebre ETC), que desenhou “Os Guerreiros do Lago Verde”, “Falcão Negro”, “Os Náufragos do Barco sem Nome” ou o mítico “O Caminho do Oriente” (considerado por muitos Os Lusíadas da BD nacional). “A Casa da Azenha” (de Vítor Péon), “Os Espíritos Assassinos” (Jayme Cortez), “O reino proibido” (José Ruy) ou “O Inferno Verde” (José Garcês) são outros títulos que deixaram marca nas páginas de O Mosquito

O último bater de asas
Com o correr dos anos, a chegada de novos concorrentes – O Diabrete, O Mundo de Aventuras, O Cavaleiro Andante -, a saída de Cardoso Lopes, “uma obcecação pela história pátria e pelos clássicos da língua portuguesa”, escreve António J. Ferreira, outro especialista da BD nacional (em O Mosquito nº 1, V série), a revista perde a rebeldia e “fala cada vez menos à imaginação infantil, tornando-se um prolongamento da escola”.
Chegaria ao fim, de forma discreta, já não era “o semanário infantil português de maior tiragem”, a 24 de Fevereiro de 1953. Mas deixara de tal forma a sua marca, que, escreve Leonardo de Sá no recém-lançado “Dicionário Universal da Banda Desenhada – Pequeno Léxico Disléxico”, o termo “mosquito” chegou a ser usado “para designar em Portugal qualquer revista de histórias aos quadradinhos”.

Outros voos
Por isso, também, se compreende que ao longo dos tempos tenha havido várias tentativas de retomar o título – e o fantástico e o maravilhoso a ele associados. Em 1960, Eduardo Carradinha e José Ruy, autor na primeira série, deram-lhe uma segunda vida, similar à primeira, que durou apenas 30 números. Um ano depois, nova tentativa de renascimento, teve apenas quatro números, mais longa mesmo assim que o número único de prospecção lançado em 1975.
Já nos anos 80, albergando sob as suas asas o melhor da BD europeia de então a par da recuperação de alguns clássicos, O Mosquito voou de novo, durante uma dúzia de números e um Almanaque natalício, na sua última ressurreição. Até hoje.

Quanto vale O Mosquito?
Apesar da sua idade e longevidade, ainda hoje surgem colecções completas de O Mosquito, que podem valer até 7500 euros. O alfarrabista José Vilela, estima que existirão umas 50 no total, mas Alberto Gonçalves, da Timtim por Timtim, refere que, com alguma paciência, gastando mais um pouco, através da internet e procurando em alfarrabistas, é possível completar uma colecção num prazo de um ou dois anos.
Os números mais difíceis, para além dos primeiros, mais antigos, e dos últimos, que tiveram menor tiragem e distribuição, são os que correspondem às mudanças de formato, pois estragavam-se com mais facilidade. Quase impossível, é encontrar as diversas separatas e construções que a revista ofereceu.
De qualquer forma, como este tipo de coleccionismo está geralmente associado à recordação das leituras de infância, são cada vez menos aqueles que ainda procuram O Mosquito.

O Mosquito em números
17 anos (1936-1953)
1412 números
1512 bandas desenhadas curtas
250 bandas desenhadas em continuação
381 contos
425 cartas do Avozinho
180 números de A Formiga (suplemento para meninas)
Tiragem inicial: 5000 exemplares
Tiragem máxima: 30 000 exemplares (duas vezes por semana)
Tiragem no final: 7000 exemplares

José Garcês e José Ruy: autores de O Mosquito relembram revista

Dos muitos desenhadores a quem O Mosquito serviu de escola e de montra, restam quatro: António Gomes Ferreira, Servais Tiago, José Garcês e José Ruy. Os dois últimos, na casa dos 80, continuam a fazer dos quadradinhos o seu dia-a-dia, tendo álbuns programados para o primeiro semestre deste ano.
Em comum, têm também o facto de terem sido leitores d’O Mosquito antes de nele trabalharem. Ruy, que tinha cinco anos quando tomou “contacto com esse tipo de narrativa”, ficou fascinado: “O Mosquito, pelos enredos e pela diversidade de temas, era uma janela aberta para um mundo que os miúdos desconheciam”. Já Garcês, descobriu a revista pelas “construções de armar”, atribuindo o seu fascínio à qualidade “das espantosas bandas desenhadas inglesas, o melhor que havia na altura, ficção muito bem contada e desenhada”.
Desse tempo de leitores, evocam os (futuros) colegas nacionais: Eduardo Teixeira Coelho, Vítor Péon, e, na escrita, Raul Correia e José Padinha; dos espanhóis, em especial Emílio Freixas e Jesus Blasco.
Ruy, que começara no Papagaio aos 14 anos, entrou n’O Mosquito para fazer “a litografia das cores do jornal, legendas e ilustrações” e chegou a ajudar “o Tiotónio na máquina de impressão”, tendo publicado uma única BD, O reino proibido, iniciada no nº 1352.
Quanto a José Garcês, depois de uma passagem pelo Pluto, fez mais cedo a sua estreia “n’O Mosquito, no nº 762, com O Inferno Verde”. Dessa época, recorda “o contacto com grandes autores e a disciplina que criou”, enquanto Ruy evoca “a vertigem que era trabalhar lá, sem rede nem margem para errar”.
Garcês tem como “primeira memória d’O Mosquito, uma visita às oficinas, ainda estudante”, de que guarda “ainda uma prova impressa a partir de um desenho feito para uma chapa de off-set”. Ruy, recorda “um episódio divertido e inusitado: a captura de uma ratazana, das muitas que lá havia, para servir de modelo vivo para uma BD”. Só que, “feitos os desenhos, faltou coragem para matar a bicha; pintou-se-lhe a cauda com tinta de impressão encarnada, mas nunca mais deu notícias”!
Curiosamente, nenhum dos dois possui a colecção da revista. Comenta José Ruy: “em casa de ferreiro, espeto de pau”!

Futura Imagem

Jornalistas nos Quadradinhos

Profissão de repórter vale aos heróis de papel acesso a informação e liberdade de movimento.

No passado dia 2, foi publicada a derradeira tira diária de Brenda Starr. Estreada nos jornais norte-americanos a 30 de Junho de 1940, a heroína criada por Dale Messick foi uma das primeiras da extensa linhagem de jornalistas dos quadradinhos.

Curiosamente – ou talvez não – os heróis de papel raramente são reconhecidos pelo que fazem na sua profissão. Tintin, o mais antigo (?) e o mais famoso jornalista europeu da BD, é conhecido como “o repórter que nunca escreveu uma linha”, o que não deixa de ser falso, pois o herói criado por Hergé em 1929, produziu uma única mas volumosa reportagem na sua primeira aventura “No país dos Sovietes”. Do outro lado do oceano, o repórter Clark Kent e o fotógrafo Peter Parker, usam-na apenas como fachada para esconderem a sua identidade de super-herói, respectivamente, Super-Homem e Homem-Aranha.
A constatação atrás expressa só vem reforçar que a escolha da profissão de jornalista pelos autores serve, antes de tudo, como fácil mas credível justificação às constantes deslocações dos protagonistas para os locais onde tudo acontece e também para acederem à informação com maior facilidade. É o que se passa com outra personagem de topo da escola franco-belga, o jornalista-detective Ric Hochet, criado em 1955 por Duchateu e Tibet, que entre perseguições emotivas, a descoberta de intrincados mistérios e o espatifar do seu Porsche amarelo tem ainda tempo para escrever no jornal La Rafale. Igualmente membro de uma redacção, Fantásio, alterna o seu quotidiano entre as grandes reportagens e a vida na redacção da revista Spirou, onde sofre e se exaspera com as partidas e disparates de Gaston Lagaffe, a incontornável criação de Franquin.
Entre aqueles cuja relação com a profissão é mais forte, conta-se Ernie Pike, correspondente de guerra da autoria de Oesterheld e Hugo Pratt, em 1957, que percorreu as principais frentes da II Guerra Mundial, testemunhando de forma crua e realista os seus dramas, horrores e feitos heróicos. Muito importante, embora não seja o protagonista, é o papel do jornalista Willy Richards (vulgo Poe dada à sua semelhança física com o célebre escritor), no western Bonelli “Mágico Vento” (presente nos quiosques nacionais), pela forma como se move nos meios oficiais onde obtém informações cruciais para as narrativas e para a contextualização histórica que o seu criador, Manfredi, lhes imprime.
Steve Roper, Jeff Cobb, Frank Cappa, Guy Lefranc ou Jill Bioskop são outros heróis jornalistas, capazes de evocar recordações nos que estão mais familiarizados com os quadradinhos, mas a geração que leu a BD Disney nos anos 70 e 80, com certeza recorda, divertida, as grandes confusões geradas pelos repórteres Donald e Peninha do jornal A Patada. Quanto à geração jovem actual, vibra com as reportagens e peripécias de Geronimo Stilton, director do Diário dos Roedores, principal quotidiano da Ilha dos Ratos, que embora nascido em romances juvenis, também já protagoniza aventuras aos quadradinhos.
E se muitos deles têm evoluído da imprensa escrita para a web – como é o caso de Peter Parker ou Ric Hochet, em histórias mais recentes – a perda de audiência dos jornais impressos poderá ser uma das explicações para o fim da carreira de Brenda Starr, quase 70 anos após o seu primeiro quadradinho, numa altura em que se destacava por ser mulher, tal como a sua criadora, num mundo em que imperavam os homens. Aliás, foram sempre mulheres que estiveram aos comandos do destino desta jornalista de investigação, elegante, inteligente e sensual, como o seu modelo, a actriz Rita Hayworth, em casos policiais com muita acção e romance.

(caixa)
Maria Jornalista
Se a banda desenhada portuguesa nunca foi pródiga em personagens recorrentes, não surpreende que seja difícil encontrar nela protagonistas ligados à imprensa.
Um dos casos mais curiosos é o de Maria Jornalista, heroína de uma dezena de histórias de duas pranchas que os leitores da Notícias Magazine descobriram em 1994, mas que nunca foram compiladas em livro.
Passadas em diversos locais de Portugal (Viana, Porto, Aveiro, Sintra, Lisboa, …), nalguns casos com referência a personagens reais (Rosa Mota, Jorge Sampaio, Manuela Moura Guedes), cada narrativa teve um autor diferente (José Abrantes, Crisóstomo Alberto, Fernando Bento, Luís Diferr, José Garcês, Catherine Labey/Jorge Magalhães, Luís Louro, Baptista Mendes, José Ruy e Ana Costa/Augusto Trigo), que lhe imprimiu o seu próprio estilo gráfico e temático, do humor ao policial, do turístico ao onírico, da denúncia social ao fantástico.

Futura Imagem

Amadora em destaque na homenagem a José Ruy

“Como se desenham os sonhos – Homenagem a José Ruy” é o título da exposição que o Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem da Amadora inaugura amanhã, quinta-feira, pelas 19 horas.
A mostra, que inclui os originais dos álbuns “Levem-me nesse sonho – História da Cidade da Amadora em Banda Desenhada” e “Levem-me nesse sonho… acordado” (uma versão mais actualizada daquele), para além da homenagem ao autor, um veterano dos quadradinhos nacionais, pretende também destacar a cidade e o seu património e a sua importância na divulgação das histórias aos quadradinhos. A exposição, patente até Março de 2009, dá também relevo ao processo criativo do autor: ideia, guião, planificação, esboços, textos, aplicação da cor e acompanhamento da impressão, sendo mostrados alguns dos elementos que utilizou como documentação para aquelas obras, nomeadamente fotografias da época e actuais de alguns dos elementos patrimoniais mais significativos da cidade, bem como objectos pessoais do autor.
José Ruy, que nasceu na Amadora a 9 de Maio de 1930 e conta já mais de seis décadas de dedicação aos quadradinhos, é o autor português de BD com mais títulos editados – 42 álbuns, fora reedições, versões estrangeiras, brochuras ou participação em obras colectivas – tendo doado o seu espólio, constituído por mais de 5000 originais, ao CNBDI.


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem