Etiqueta: Miguel Rocha

BD sobre a PIDE para celebrar Abril

Obra do italiano Giorgio Fratini é “uma metáfora sobre a perda da memória”; Lisboa dos anos 70 é testemunha muda da actuação da polícia política

Para assinalar o 34º aniversário da Revolução dos Cravos, a Campo das Letras acaba de editar “As paredes têm ouvidos – Sonno Elefante”, um romance gráfico cuja acção decorre a dois tempos, nos últimos anos da ditadura e em 2006, centrada no edifício da R. António Maria Cardoso que serviu de sede à PIDE, e que retrata, de forma contida mas realista, alguns métodos dos seus agentes – “que não investigam antes de prender, prendem para investigar”, lê-se a certa altura.
Esta banda desenhada nasceu de uma notícia sobre a transformação daquele edifício num condomínio de luxo, e é “uma metáfora sobre a perda da memória de um lugar, logo de um pedaço da História”, revelou ao JN o autor, aquando da edição italiana do livro, no início de 2008. Isto porque, curiosamente, esta é uma obra de um italiano, Giorgio Fratini, que conheceu Portugal em 2000, ao abrigo do programa Erasmus.
Ou talvez não, se pensarmos que os quadradinhos nacionais raramente abordaram o meio século de ditadura salazarista, embora não seja “exclusiva da BD esta cegueira criativa e libertária em relação a um período tão rico (para o melhor e para o pior)”, como refere João Paulo Cotrim, argumentista de “Salazar – Agora na hora da sua morte” (2006), um outro romance gráfico situado na mesma época, que humaniza o mito do ditador, como forma de o desmistificar. E acrescenta: “caiu sobre o período da ditadura um véu politicamente correcto que não permitiu que o olhar da criação, cujo pressuposto é a absoluta liberdade, iluminasse o período do regime para além do (que parece) bem e mal”.
Para além de “Salazar…”, algumas das excepções mais relevantes são “As pombinhas do Sr. Leitão” (1999), de Miguel Rocha, ou “Operação Óscar” (2000), de José Ruy, a par de alegorias mais datadas como “Kolanville” (1974), de Duarte, “O País dos Cágados” (1989), de Artur Correia e Gomes de Almeida ou “Wanya” (1973; reedição Gradiva, 2008), de Nelson Dias e Augusto Mota, embora, “paradoxalmente, algumas das mais interessantes produções recentes” – muitas delas “perdidas” em jornais e revistas – “se incluam nesta vertente da BD de cariz histórico”. E isto apesar de a banda desenhada “ter sido uma linguagem bastante usada pelas propagandas da ditadura”, conclui Cotrim.
“As paredes têm ouvidos”, cuja acção decorre também nas ruas inclinadas e nas tabernas típicas de Lisboa, cujas casas e prédios são testemunhas mudas dos medos e mordaças que então imperavam, traça igualmente o percurso de cinco amigos, cujas vidas são profundamente afectadas pela actuação da polícia política, “entre os quais há quem se oponha, quem traia, quem colabore, quem se anule e quem morra”.


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

A Banda de Cá

Um panorama alargado da banda desenhada portuguesa: revelação e balanço

Se a encararmos como um campo alargado, que inclua a caricatura e a ilustração, a banda desenhada é, sem dúvida, e ao lado do cinema, um dos produtos culturais mais paradigmáticos da modernidade. Filho da vida urbana, do divertimento, mas também das sociedades abertas com suas liberdades públicas, o mundo dos ‘quadrinhos’ passaria dos jornais para os livros, gerando ao longo do século XX um novo género de narrativa gráfico-literária que se exprime quase sempre numa linguagem popular mas capaz de abrir todo um novo território de experimentações visuais.

Como todas as existências icónicas da sociedade de massas, a BD disseminou-se por todo o Ocidente, ganhando fortíssimas e singulares tradições na Bélgica, na França, ou nos EUA, criando mercados alargados em países como a Itália e a Espanha e gerando especificidades importantes no Leste da Europa.

Portugal não foi exceção a esta contaminação, ainda que, como noutros domínios artísticos, a produção portuguesa conheça as dificuldades inerentes a um mercado estreito e demasiado condicionado pela visão ‘infanto-juvenil’ da BD e pela supremacia franco-belga na oferta e na procura.

Estas condições não impediram, porém, o florescimento nas últimas décadas de uma banda desenhada de autor, exigente do ponto de vista gráfico e, em alguns casos, com um arrojo experimental.

“Tinta nos Nervos”, uma exposição comissariada por Pedro Vieira de Moura, que revisita a produção lusa recente nesta área, mostra precisamente este panorama, construindo uma visão de conjunto largamente satisfatória.

Seja pela diversidade de abordagem e sensibilidades estéticas, seja pela real valia de alguns dos participantes, a BD portuguesa aproxima-se nesse particular das restantes artes visuais locais: na ausência de escolas dominantes, ela vive sobretudo da dissonância estética entre as suas personalidades mais vivas.

Mostrando pranchas e sequências que salvaguardam as condições narrativas da BD, mas também livros seminais, revistas e fanzines historicamente marcantes e objetos que se aproximam da linguagem gráfica, a exposição tem a enorme vantagem de mostrar esta diversidade através do trabalho de 40 autores.

Lado a lado, coexistem trabalhos que valorizam a dimensão social e política (Teresa Câmara Pestana, Miguel Rocha), ou vincam visões da cidade (António Jorge Gonçalves, José Carlos Fernandes), caracterizam os costumes (Pepedelrey) ou comentam a cultura local (Janus, Nuno Sousa, Miguel Carneiro), exibem estilos mais realistas (Marco Mendes), aproximam-se do fantástico (Victor Mesquita, João Maio Pinto), do onírico (Luís Henriques), da abstração (Cátia Serrão) ou especulam sobre as próprias condições gráficas (Jucifer), adotam visões mais literárias (Diniz Conefrey), tiram partido da cor em visões pop (Nuno Saraiva) ou da tonalidade expressionista (Ana Cortesão, André Lemos, Pedro Zamith), com humor (Alice Geirinhas, Carlos Zíngaro) ou pela exploração de subgéneros como a autobiografia (Marcos Farrajota, Paulo Monteiro). Entretanto, há ainda espaço para sinalizar algumas zonas de fronteira com a pintura, pelo campo comum do desenho (Isabel Baraona, Mauro Cerqueira), pela partilha de uma mesma cultura pop e vocação satírica (Eduardo Batarda), ao mesmo tempo que se incluem dois antecedentes (Rafael Bordalo Pinheiro e Carlos Botelho) que ajudam a dar profundidade histórica ao campo.

Como imagem de fundo de uma nebulosa tão heteróclita fica uma genérica capacidade de infiltração temática nos mais diversos assuntos e contextos sociais, com uma variedade de abordagens que pode oscilar entre o humor e a metafísica.

“Tinta nos Nervos” — A BD Levada a Sério…

Foi inaugurada, no passado dia 10 de Janeiro, a exposição “Tinta nos Nervos – Banda Desenhada Portuguesa”, no Museu Colecção Berardo do Centro Cultural de Belém.
Estendida por diversas salas do Museu, e comissariada por Pedro Moura, a mostra irá estar patente até ao dia 27 de Março.
Uma das mais importantes montra de que há memória na Banda Desenhada portuguesa, a exposição comissariada por Pedro Moura apresenta obras de Alice Geirinhas, Ana Cortesão, André Lemos, António Jorge Gonçalves, Bruno Borges, Carlos Botelho, Carlos Pinheiro, Carlos Zíngaro, Cátia Serrão, Daniel Lima, Diniz Conefrey, Eduarda Batarda, Filipe Abranches, Isabel Baraona, Isabel Carvalho, Isabel Lobinho, Janus, João Fazenda, João Maia Pinto, José Carlos Fernandes, Jucifer (Joana Figueiredo), Luís Henriques, Marco Mendes, Marcos Farrajota, Maria João Worm, Mauro Cerqueira, Miguel Carneiro, Miguel Rocha, Nuno Saraiva, Nuno Sousa, Paulo Monteiro, Pedro Burgos, Pedro Nora, Pedro Zamith, Pepedelrey, Rafael Bordalo Pinheiro, Richard Câmara, Teresa Câmara Pestana, Tiago Manuel e Victor Mesquita.
Como bem refere Jorge Machado-Dias no seu blog Kuentro, «(…) é uma oportunidade única para aceder a tão vasta (embora não auto-conclusiva) informação sobre a actual BD portuguesa (…)».
E este crítico, editor e divulgador, diz ainda: «(…) À partida, a filosofia de que partiu esta abordagem à Banda Desenhada – tratando-se especialmente da portuguesa –, é algo com que estamos plenamente de acordo e cuja visita deveria ser obrigatória para os directores dos Festivais de banda desenhada em Portugal, para perceberem como fazer um festival de BD de larga abrangência e potencialmente cativador de maiores e mais variados públicos. Isto apesar de, diga-se de passagem, Paulo Monteiro, o director do Festival de Beja, ter vindo propositadamente de Beja para esta inauguração, sendo que é também, um dos autores expostos…
Para já, deixo ficar apenas uma nota sobre a feliz escolha por Pedro Vieira Moura, da expressão que melhor define a BD portuguesa actual: banda desenhada de autor! Nada mais apropriado, uma vez que os portugueses são especializados em algumas áreas “de autor”, sendo o cinema a mais conhecida. E tal como o cinema português é parcamente visto pelos portugueses, também a BD portuguesa sofre do mesmo mal: vende-se pouco! E isto não é uma crítica, é uma constatação. Aliás a Sara Figueiredo Costa aborda alguns pontos desta questão no texto que produziu para o Catálogo desta exposição – o porquê das fracas vendas da BD portuguesa (…).
O catálogo da exposição, com textos de Pedro Moura, Sara Figueiredo e Domingos Isabelinho contém 138 ilustrações e a biografia de todos os autores expostos, sendo distribuído pela Chili Com Carne.
A exposição tem entrada gratuita e pode ser visitada no Museu Colecção Berardo, Praça do Império, Lisboa, até 27 de Março, de domingo a sexta, das 10h00 às 19h00 e sábado das 10h às 22h.

Futura Imagem

Banda Desenhada Portuguesa mostra-se na China

Obras de seis autores nacionais patentes em Xangai; Parceria com o FIBDA prevê exposição de autores chineses em Outubro, na Amadora

Começou ontem em Xangai e decorre até dia 1 de Julho, a 4ª China International Animation Cartoon and Game Fair, que conta no seu programa com uma exposição de banda desenhada de autores portugueses. A sua presença começou a tomar forma num encontro no Festival de BD de Angoulême, França, em Janeiro último, entre Nelson Dona, director do Festival Internacional de BD da Amadora (FIBDA), e um dos responsáveis do National Center for Developing Animation Cartoon and Game Industry, que organiza aquele evento chinês, para o qual têm sido convidados autores europeus de diversas nacionalidades, como forma de combater a predominância da banda desenhada japonesa (manga) na China.
Nesta primeira participação lusa no certame, o FIBDA optou por seleccionar autores de diferentes áreas e estilos, com obra publicada no estrangeiro, com uma excepção: Luís Henriques, desenhador de “Black Box Stories #1 – Tratado de Umbrografia” (Devir), por ser o autor em destaque na edição deste ano do FIBDA. Os restantes nomes eleitos, que escolheram cerca de uma dezena de pranchas para serem reproduzidas na mostra de Xangai, foram Daniel Maia (com diversos trabalhos para o mercado de comics norte-americano), Rui Lacas (“Merci patron”, Suiça), Miguel Rocha (“Beterraba”, Espanha), José Carlos Fernandes (“A Pior Banda do Mundo”, Espanha, Brasil e Polónia) mas que optou por levar originais do segundo volume das suas “Black Box Stories” , a editar ainda este ano, desenhado por Roberto Gomes, e Richard Câmara (“Cappuccetto Rosso”, Itália). Este último, autor de um curioso “O Capuchinho Vermelho na versão que as crianças mais gostam!” (Polvo), na qual a história tradicional é narrada, em paralelo e em simultâneo, sem palavras, segundo o ponto de vista da menina, do lobo, do caçador e da avozinha, e com inusitadas variações, é o único autor presente em Xangai.
Esta parceria agora iniciada, e que se estenderá pelo menos até 2009, prevê a presença em Outubro e Novembro próximos, no 19º Festival de BD da Amadora, de um responsável daquele festival e de um autor chinês, bem como de uma exposição de banda desenhada chinesa subordinada ao tema genérico que o FIBDA escolheu para este ano: “Ficção-científica e Tecnologia”.


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

A maioridade na Amadora

Festival de Banda Desenhada começa hoje; Ziraldo, Cameron Stewart, Achdé e Gerra, autores de Lucky Luke, presentes este fim-de-semana; Previsto o lançamento de uma dezena de obras de autores portugueses

Começa hoje a 18ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, que abre as suas portas para o fantástico mundo dos quadradinhos até 4 de Novembro. Do programa, destaque para as exposições “Salazar, Agora na Hora da sua Morte”, sobre a obra de Miguel Rocha e João Paulo Cotrim, que venceu os Prémios Nacionais de BD para Melhor Álbum Português, Melhor Argumento e Melhor Desenho, em 2006, “As 10 BD’S do Século XX” (passeio pelos universos de “Little Nemo in Slumberland”, “Krazy Kat”, “Tintin”, “Batman”, “Spirit”, “Peanuts”, “Astérix”, “Blueberry”, “Corto Maltese” e “Maus”, “Astérix e seus Amigos”, uma homenagem de diversos autores a Uderzo, pelos seus 80 anos, e o espaço dedicado às novidades editoriais e a projectos em curso nacionais. Aliás, é de salientar o facto de estar previsto o lançamento, durante o FIBDA, de mais de uma dezena de obras de autores portugueses.
O tema desta edição, no ano em que o FIBDA comemora 18 anos, é “Maioridade” mas, como em qualquer ser humano, não é o simples atingir do patamar dos 18 anos que concede aquele estado. Esta opinião é partilhada por diversos intervenientes ligados à 9ª arte nacional, que referiram ao JN alguns aspectos em que, segundo eles, o Festival necessita de crescer. À cabeça é apontada o local de realização do festival que este ano se mantém no Fórum Luís de Camões, na Brandoa, reconhecidamente com as características logísticas necessárias para albergar um evento deste tipo, mas mal situado em termos de acessibilidade. Por isso João Miguel Lameiras, crítico e livreiro, aponta a necessidade “de arranjar uma casa fixa, em vez de mudar de dois em dois anos”, sendo secundado por Geraldes Lino, especialista em fanzines, que pede que “o núcleo principal se localize, definitivamente, num ponto central da Amadora, como era a saudosa Fábrica da Cultura”.
Puxando a brasa à sua sardinha, Marcos Farrajota e Teresa Câmara Pestana, autores e editores de fanzines, gostariam, respectivamente, de mudar “tudo” e de “ter os autores marginais como principal atracção do festival”, enquanto que Machado Dias, editor da pedranocharco e do “BDJornal” apostaria numa “equipa organizadora maior com um orçamento compatível”, a quem Lameiras pediria “uma maior profissionalização”.
Outro ponto referido, por José Freitas, editor da Devir, é a obrigatoriedade de “uma maior ligação com a realidade efectiva do público e dos seus interesses, ou seja, deixar de fazer um FIBDA para leitores de BD franco-belga com mais de 50 anos e admitir finalmente que o público de BD de hoje não é o mesmo de há dez ou quinze anos atrás”, pois prefere comics de super-heróis e manga (BD japonesa).
A mesma ideia é partilhada por Hugo Jesus, responsável pelo portal Central Comics, que pede à organização para “virar o festival para um publico mais jovem” e “para apostar definitivamente na área comercial”, desejo indirecto de José Freitas quando sugere ao FIBDA para “passar a olhar minimamente para o mercado para saber o que se editou e o que vende”. José Carlos Fernandes, o mais destacado autor português dos últimos anos, pensa que a maioridade só será atingida se (e quando) “houver um mercado saudável de BD em Portugal” pois, “se houver mercado, surgem editoras e autores nacionais”; sem isso, “o FIBDA será sempre a fachada enganadora de um edifício inexistente”. O que reitera Lameiras que, considerando “as crises de adolescência do Festival um reflexo das debilidades do próprio mercado nacional de BD” tem algumas reservas “pois o estado semi-comatoso do mercado deixa antever um prognóstico reservado quanto ao futuro do festival…”. 

[Caixa]

Destaques

Do programa do primeiro fim-de-semana do Festival de BD da Amadora, enquanto se aguarda por Manara (a 27 e 28) e Trondheim (3 e 4 de Novembro) destaca-se a presença do brasileiro Ziraldo, autor, entre outros títulos destinados à infância, de “O Menino Maluquinho”, Achdé e Guerra, actuais responsáveis de Lucky Luke, Cameron Stewart, desenhador de “Cat Woman”, “B.P.R.D.” ou “Seaguy”, Ilan Manouach, Godi, Zidrou e Jean-Louis Marco.
No que respeita a lançamentos, destaque para o regresso do Corvo, o mais desajeitado super-herói português, em “Laços de Família” (ASA), com desenhos de Luís Louro e argumento de Nuno “Homem-que-mordeu-o-cão” Markl, a par do sexto e derradeiro volume de “A Pior Banda do Mundo” (Devir), de José Carlos Fernandes.
Terão também apresentação “Obrigado patrão” (ASA), que Rui Lacas lançou este ano nas Éditions Pacquet”, “SuperPig #3”, de Carlos Pedro e Mário Freitas, e “C.A.O.S.#3”, de Filipe Teixeira, Fernando Dordio Campos e Carlos Geraldes (ambos da Kingpin Comics), “Sexo, Mentiras e Fotocópias”, de Álvaro, “Portfólio”, de José Abrantes, bem como das revistas “BDjornal #20” e “BDVoyeur #2” (pedranocharco).


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

O mundo dos quadradinhos regressa à Amadora

Maioridade é o tema central da 18ª edição do Festival de BD que começa a 19 de Outubro; “As 10 BDs do século” e “Salazar”, visto por João Paulo Cotrim e Miguel Rocha, são os principais destaques; Milo Manara e Lewis Trondheim são cabeças de cartaz; mão cheia de lançamentos em português

O mundo maravilhoso dos quadradinhos, através de algumas das suas muitas facetas, vai regressar à Amadora de 19 de Outubro a 4 de Novembro, de novo no Fórum Luís de Camões, na Brandoa, que reúne sem dúvida boas condições logísticas para acolher o evento, embora deixe a desejar quanto à acessibilidade através de transportes públicos. Aquela que é a 18º edição do Festival Internacional de BD, terá como tema central a Maioridade e pretende dar uma visão global de uma arte centenária. Reflexo disso, é a principal exposição, “As 10 BD’s do Século”, que evocará as obras mais votadas pelos especialistas de todo o mundo no inquérito que o Festival promoveu em 2004, ou seja “Little Nemo in Slumberland”, “Krazy Kat”, “Tintin”, “Batman”, “The Spirit”, “The Peanuts”, “Astérix”, “Blueberry”, “Corto Maltese” e “Maus”.
No mesmo local estarão também os originais de “Salazar – Agora, na hora da sua morte”, o livro de João Paulo Cotrim e Miguel Rocha que recolheu no ano passado a unanimidade da crítica (Prémios Nacionais de BD para Melhor Argumento, Desenho e Álbum) e do público.
Astérix marca presença em dose dupla já que os 80 anos de Uderzo, cujo álbum comemorativo que reúne diversas homenagens feitas ao desenhador do pequeno gaulês pelos seus colegas de profissão, será lançado pela ASA durante o evento, dará o mote a outra das exposições.
O Fórum Luís de Camões, onde funcionará a Feira do Livro de Banda Desenhada, bem como sessões de autógrafos (para as quais está prevista a presença de nomes como Milo Manara, Lewis Trondheim, Ziraldo, Achdé e Guerra, estes dois os actuais responsáveis por Lucky Luke), conferências, etc., acolherá igualmente mostras de Alain Corbel (autor da linha gráfica do festival deste ano), Roberto Goiriz, Danijel Zezelj, Sixto Valência, Mathieu Sapin, Fábio Zimbres, Ilan Manouach, Warren Craghead, Frédéric Coché e Amy Lee, bem como a do Centenário de Cardoso Lopes, um dos grandes nomes do jornalismo infanto-juvenil em Portugal da primeira metade do século XX, o Espaço Infantil, preenchido com originais de “Menino Boavida”, de Godi e Zidrou, “Rosco Le Rouge”, de Jean-Louis Marco, “Uma Mesa é uma Mesa”, de Madalena Matoso e Isabel Martins e “Pê de Pai”, de Bernardo Carvalho e Isabel Martins, e o “espaço adulto”, onde os maiores de 18 anos poderão admirar a arte de Mattioli, Liberatore, Milo Manara e Leone Frollo.
Como é habitual, o Festival espraia-se pela cidade: a Galeria Municipal Artur Bual, mostra a obra de Ziraldo, a Casa Roque Gameiro acolhe ilustrações de Teresa Lima, Prémio Nacional de Ilustração Infantil do IPLB, os Recreios da Amadora, têm diversas mostras de Cartoon, e no CNBDI está patente “007, Ordem para Humorar”, um conjunto de divertidas abordagens ao mítico agente secreto que o cinema imortalizou.

[Caixa]
Lançamentos em português
Afirmando-se mais uma vez como o local por excelência para a divulgação da 9ª arte nacional, o Festival deverá assistir este ano ao lançamento dos seguintes títulos:
“O Corvo III” (ASA), de Luís Louro e Nuno Markl
“Obrigado Patrão” (ASA), de Rui Lacas
“Evereste” (ASA), de Ricardo Cabral
“Sexo, Mentiras e Fotocópias” (pedranocharco), de Álvaro
“Super Pig” (Kingpin Comics), de Carlos Pedro e Mário Freitas
“C.A.O.S.” (Kingpin Comics), de Filipe Teixeira, Fernando Dordio Campos e Carlos Geraldes


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem

Salazar vence Troféus Central Comics

Salazar, não o homem, mas a obra – “Salazar – Agora, na hora da sua morte” (editado pela Parceria A.M. Pereira), de João Paulo Cotrim (argumento) e Miguel Rocha (desenhos) – que desconstrói o mito, mostrando o seu lado humano, com as suas muitas fragilidades e limitações, ao arrebatar os prémios para Melhor Álbum e Desenho nacionais foi o grande vencedor dos V Trofeús Central Comics, divulgados ontem durante uma cerimónia que decorreu na Casa da Animação, no Porto, onde está patente até 17 de Maio, uma exposição com pranchas originais de Rui Gamito, Hugo Teixeira, Rui Ricardo, Phermad e o colectivo El Pep. “Salazar” falhou apenas o Melhor Argumento, entregue a “C.A.O.S. – Livro 1”, de Fernando Dórdio Campos, da Kingpin of Comics, distinguida como Melhor Editora.

Os Troféus Central Comics são promovidos pelo portal (www.centralcomics.com), com o mesmo nome que aposta na divulgação da banda desenhada e de tudo o que se relacione com a nona arte em geral. Criados em 2002, são uma forma de reconhecer os autores e editores portugueses que fizeram ou lançaram banda desenhada na nossa língua durante o ano transacto. Os vencedores são decididos por votação directa dos seus frequentadores, ou seja dos leitores e interessados na 9ª arte, o que os torna únicos.

A nível estrangeiro, os troféus para Melhor Argumento e Desenho foram, respectivamente, para Neil Gaiman e Dave McKean, ambos por “Orquidea Negra” (GFloy Studios), mostrando como é ilógico separar em BD as duas coisas, já que apesar disso, o Melhor Álbum foi “A cidade de vidro” (ASA).

Os restantes distinguidos foram: Melhor Álbum de Tira ou Prancha Cómica/Cartoon/Caricatura Nacional – “Os Compadres” (Sergei, Polvo); Melhor Álbum de Tira ou Prancha Cómica/Cartoon/Caricatura Estrangeira – “Obra Completa dos Peanuts Vol. 1” ( Charles Shultz, Afrontamento); Melhor BD Curta/Cartoon nacional não publicada em álbum – “Kull: O Fim” (Hugo Jesus e Nuno Sarabando, Tertúlia BDZine #109); Melhor Edição de Bancas – “BDJornal” (Pedranocharco); Melhor Fanzine – Sketchbook 3 (Direcção: Ricardo Cardoso); Melhor Edição Investigação Especializada – Catálogo FIBDA 2006 (CNBDI).

O Prémio Especial do Júri, o único que não é decidido por votação dos leitores foi entregue a Paulo Monteiro, autor de BD e responsável pela Bedeteca de Beja e pelo Festival local, pelo trabalho que tem desenvolvido na divulgação da BD em Portugal e da BD nacional em Espanha.


Escrito Por

F. Cleto e Pina

Publicação

Jornal de Notícias

Futura Imagem